18/11/2011

China faz novas advertências a aumento de influência dos EUA na Ásia-Pacífico


(Reuters) - As tensões entre os Estados Unidos e a China ameaçam transbordar para reuniões de líderes da Ásia-Pacífico a partir desta sexta-feira, com o presidente Barack Obama declarou a sua intenção, na véspera do encontro para afirmar a influência dos EUA na região.
Obama disse na Austrália, Quinta-feira, em sua última parada antes de jorrar para as reuniões na vizinha Indonésia, que os militares dos EUA iriam expandir seu papel Ásia-Pacífico, apesar dos cortes orçamentais, declarando que a América estava "aqui para ficar" como uma potência do Pacífico.
E dias antes, como anfitrião do fórum da Ásia-Pacífico de cooperação económica, no Havaí, Obama manifestou frustração crescente para as práticas comerciais da China e empurrou para um novo acordo comercial Ásia-Pacífico com alguns dos vizinhos de Pequim.


As reuniões na Indonésia, na ilha turística de Bali, reunirão a Associação de 10 membros das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e oito parceiros de diálogo, incluindo os Estados Unidos, China, Rússia e Japão. Reuniões bilaterais são realizadas na sexta-feira antes de um total East Asia cúpula de sábado.


No início desta semana, EUA a secretária de Estado Hillary Clinton pediu aos pretendentes ao Mar da China Meridional a não recorrer à intimidação para empurrar a sua causa nas águas potencialmente rica, uma referência indireta à China antes da cúpula de Bali.
China e vários países da ASEAN se chocaram sobre a soberania das águas, acredita-se ser rico em recursos naturais e abrangendo rotas de comércio vital.
Clinton apelou para discussão da disputa marítima na cimeira, o que poderia encorajar alguns países do Sudeste Asiático com sinistros marítimos, embora a China diz que não quer tais negociações a ter lugar e que a questão deve ser resolvida através de negociações bilaterais.


"A introdução de um assunto controverso para a reunião só afetam a atmosfera de cooperação e confiança mútua, prejudicando a definição de -ganhos do desenvolvimento saudável na região", disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês Liu Weimin, nesta na quarta-feira. Obama declarou que o compromisso dos EUA na região da Ásia-Pacífico era "absolutamente crítico", alimentando temores de longa data da China de ser cercada pelos Estados Unidos e seus aliados.


"À medida que acabar com as guerras de hoje, eu tenho dirigido minha equipe de segurança nacional para tornar a nossa presença e missões na Ásia-Pacífico uma prioridade", disse Obama quinta-feira em um importante discurso sobre a visão de Washington para a região Ásia-Pacífico.
"Como resultado, as reduções nos gastos de defesa EUA não - repito, não - não virão à custa da Ásia-Pacífico."


Nervosos com a influência crescente da China, aliados dos EUA como o Japão e a Coréia do Sul têm buscado garantias dos Estados Unidos que seria um forte contrapeso na região.
Um primeiro passo na ampliação do alcance militar dos EUA no Sudeste Asiático verá EUA fuzileiros navais, navios de guerra e aeronaves utilizados para o norte da Austrália de 2012.
Que a implantação para a Austrália, que até 2016 chegará a uma força-tarefa de 2.500 soldados dos EUA, é pequeno comparado com os 28.000 soldados estacionados na Coréia do Sul e 50.000 no Japão.


Mas a presença em Darwin, apenas 820 km (500 milhas) da Indonésia, permitirá que os Estados Unidos chegar rapidamente no sudeste da Ásia e do Oceano Índico.
Obama reconheceu o desconforto da China com o que ele vê como tentativas de Washington de cercar-lo, comprometendo-se a procurar uma maior cooperação com Pequim.
" Ele acrescentou: "Nós vamos buscar mais oportunidades para a cooperação com Pequim, incluindo uma maior comunicação entre as nossas forças armadas para promover o entendimento e evitar erro de cálculo."


A nova base de facto dos EUA na Austrália expande a presença militar direta dos EUA na Ásia para além da Coreia do Sul e no Japão e no sudeste asiático, uma área onde a China tem crescentes interesses económicos e estratégicos.
Ele também irá colocar mais tropas dos EUA, navios e aeronaves muito mais perto do Mar do Sul da China.

China questiona EUA sobre implantação militar na Austrália.


China questionou a implantação dos EUA, com um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores levantando dúvidas sobre se o reforço de alianças, tais ajudaram a região a reunir em um momento de crise econômica.
Mas no geral sua reação oficial foi contida, com uma sucessão de liderança iminente preocupante no Partido Comunista e deixando Pequim ansiosa para evitar fogos de artifício diplomático.


Reação de alguns meios de comunicação do Estado foi mais dura.
"Não seria uma surpresa se os Estados Unidos estão tentando buscar a hegemonia na região, que estaria em consonância com as suas aspirações como uma superpotência global," Disse da China a agência de notícias Xinhua em um comentário.
"Como a região do mundo que mais cresce - e lar de mais de metade da economia global - da Ásia-Pacífico é fundamental para alcançar a minha maior prioridade: a criação de empregos e oportunidades para o povo americano", disse ele.
(Reportagem adicional de Michael Perry em Sydney, escrita por Neil Fullick; edição por Mark Bendeich )

Fonte:Reuters.com

0 comentários:

Postar um comentário

Serão aprovados comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais(e-mail, telefone, RG etc.) ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Skull Belt Buckles